Pedagógico: 34-3826-7601 | Administrativo: 34-3826-7600

CELEBRAÇÃO DA PALAVRA

                CELEBRAÇÃO DA PALAVRA COM OS ALUNOS DO 6º E 7º ANOS

MOMENTO ORGANIZADO PELA PASTORAL ESCOLAR.

                   FOI UM MOMENTO MUITO ESPECIAL DE ORAÇÃO E REFLEXÃO.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

   

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

CRONOGRAMA DE ATIVIDADES DA PASTORAL ESCOLAR

05/02/2018

Abertura do ano escolar – Bênção das Mochilas: 1º turno às 7h30 e 2º turno às 14h

 

Como é tradição no CNSG, todo início de ano letivo realizamos a Bênção das Mochilas. Momento de pedir a Deus, por intercessão do servo de Deus e nosso fundador o Pe. Júlio Maria, as bênçãos aos nossos estudantes e aos seus instrumentos de trabalho (livros,cadernos e mochila) bem como aos seus sonhos...projetos e desejos para 2018. A Celebração foi conduzida pela Pastoral Escolar e pelo Frei Romero. Participaram todos professores, direção, coordenação e estudantes dos turnos da manhã e da tarde. 

 

Abc,

Prof.Ms.Eduardo Luiz Alves Ramos,OFS.

Membro da Pastoral Escolar CNSG

 

 

 

Quaresma é tempo de regressar

     Quando, muitas vezes, pensamos em quaresma vem à mente superstições, crendices e ações que não traduzem toda a oportunidade oferecida neste tempo tão especial.
      A Igreja que aprendeu do Nazareno, sabe que nossa humanidade precisa de momentos fortes e marcantes. Nossa história, de certa forma, é cíclica. Desde os primórdios, observamos a importância de recomeçar. A cada nova estação, novo ano, uma nova oportunidade. Numa estação, a colheita pode ser perdida, na outra, poderá ser generosa e farta. Esperança é um movimento fundamental em nossa vida.
     Jesus, de forma pedagógica, e até terapêutica, nos fez perceber a importância de silenciar, ouvir o deserto, perceber Deus em todas as coisas e lugares; deu sentido à letra fria aquecendo-a com o Espírito. Deu-nos um novo jeito de rezar, um Jejum que vai além do privar-se de alimentos, disciplinar o corpo para tocar a alma. Disse o Padre Júlio Maria nosso fundador: “A Oração é a tendência habitual de procurar a Deus, a felicidade de viver com Deus”.

     Nesse tempo, podemos imaginar que Deus quer nos apontar como culpados, mas o olhar deve transcender esse princípio. Existe uma diferença fundamental e é dela que falamos agora.

     A culpa de nada nos serve. A culpa constrói muros, remoer cada erro não nos faz avançar, mas nos enche de vergonha e nos faz reféns de nossos medos e ansiedades. Este tempo, em especia, não é para nos culpar, pelo contrário, Jesus nos convida a exemplo de Nínive, a grande cidade que Jonas percorreu profetizando, que possamos nos arrepender. Aquele povo ao vestir-se de trapos, cobrir-se de poeira e cinzas, não estava simplesmente se culpando, estava, de fato, arrependido de suas atitudes e comportamentos, queria não se esconder, mas que Deus visse o quanto estavam dispostos a mudar.

     Eis a verdadeira conversão, não como sinônimo de perfeição imediata, mas de um caminho que nos propõe a possibilidade do regresso, do encontro com o real tesouro, voltar ao colo do Pai, ao abraço aconchegante da Mãe, ser acolhido na família e na própria comunidade. Quaresma não é para sofrer, é para aprender; aprender novo caminho, nova vida, novo rumo, entender que nesta busca pela vida passaremos pela cruz, mas não de forma vã, assim como verdadeiros imitadores de Cristo. Queremos a ressurreição plena, experimentar uma Páscoa pessoal que nos coloca diante do nosso melhor, perceber que todo o Amor que o próprio Deus colocou em nós está sendo vivenciado não só dentro de nossas igrejas e catedrais, mas de forma especial e fundamental no próximo. Enxergar o desconhecido que tantas vezes me foi invisível, mas também e talvez de forma primeira enxergar da melhor forma aqueles que vivem comigo, os da minha casa que precisam dessa minha transfiguração, minha luz, minha capacidade de olhar com alegria, gentileza e carinho; basicamente SER na vida de cada um verdadeiramente sinal da vida nova que a Ressurreição nos traz.